Ginete monta em cavalo xucro para relembrar força da mulher gaúcha

Erlita Mendes percorre o Estado conquistando espaço e premiações em ambiente tradicionalmente masculino

Erlita Mendes, 27 anos, é uma das poucas mulheres no Estado que participa deste tipo de prova
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBSBruna Scirea
bruna.scirea@zerohora.com.br

Entre homens jovens e adultos, campeões e amadores, Erlita Mendes destaca-se pela garra sobre o cavalo xucro. De madeixas a balançar com o pinote do animal, a caxiense não entra na cancha de rodeio para demonstrar força ou coragem.

De tento em mãos, a ginete arrisca-se, desde os 18 anos, pelo resgate de uma história – que, para ela, tem linhas mal contadas.

— Muito se fala sobre os homens, os heróis que lutaram por nossa terra. Subo no cavalo para representar nossas avós, bisavós e tataravós que domavam animais e cuidavam dos filhos nas estâncias. Quero lembrar que a força feminina também esteve presente na história gaúcha — justifica.

Para isso, Erlita percorre o Estado conquistando espaço e premiações em um ambiente tradicionalmente masculino. Uma das únicas mulheres ginetes, aos 27 anos, contabiliza a participação em mais de 30 provas de rodeio – em uma delas, apoderou-se do oitavo lugar em um ranking que incluía 50 homens – e já abriu mais de 150 eventos com
apresentações sobre lombo do cavalo.

Dos tombos, a ginete recorda de apenas um. Foi quando o cavalo caiu sobre ela quebrando-lhe o braço. Nada grave, afirma. E é com a mesma confiança que responde quando lhe perguntam se sente medo.

— É um sentimento que não tenho dentro de mim. O que sinto é uma gana de mostrar, da melhor maneira, o que vim para fazer: lembrar da garra do povo gaúcho, de homens e de mulheres — explica.

E se o namorado Paulo Schmidt reclamar, preocupado com as possíveis quedas e machucados, Erlita deixa bem claro:

— Ele sabe o que acontece se eu tiver que escolher entre ele e a gineteada.

Por enquanto, nada faz Erlita pendurar as esporas

Não é o namorado. Também não serão a faculdade de Agronomia, nem a loja de agropecuária que administra em Caxias do Sul, motivos para pendurar as esporas. E, se algum dia isso acontecer, pretende ter repassado tudo o que aprendeu para a próxima geração de sua família. A sobrinha Luíza Gabriela, dois anos, já se mostra como uma forte candidata a aprender um grande segredo de campeã:

— Alguns chamam a gineteada como uma peleia entre o homem e o cavalo. Eu penso diferente. Antes de montar, me aproximo do animal e faço uma oração. Rezo para que Deus nos abençoe e que sejamos uma dupla, não adversários. É uma questão de cumplicidade.

ZERO HORA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: